4.8.09

 

 

 

Pensar na perda gestacional nas suas várias dimensões leva-nos a considerar diversos grupos que estão intrinsecamente relacionados com este tipo de perda. A mulher mantém-se como pilar central onde se gera a criança desejada e é a partir desta que surgem os primeiros sinais de dor quando o sonho se desvanece.

 

A partir destes sinais ouvem-se os ecos da sociedade, surgem períodos de mudanças nas diversas relações sejam estas familiares, entre colegas de trabalho ou outras pessoas próximas que estejam inseridas nos círculos sociais de determinada pessoa. Após a perda o regresso ao trabalho é diferente, mudam os olhares, mudam as palavras, muda muita coisa. Muda a relação com o seu corpo porque perdeu um pouco de si, mudam os sonhos e procuram-se novos portos de abrigo. A própria família sofre  um abalo porque sente a perda de um dos "seus". Em qualquer uma destas estruturas vão ocorrendo alterações nas relações através da variação na proximidade e no afastamento – por exemplo no seio do casal pode sair reforçada a solidariedade primária assim como se podem verificar situações de conflito. Uma gravidez provoca a mudança numa determinada estrutura social, assim como a morte de um filho gera mudanças e poderá eventualmente levar à ruptura de laços. Quando a mulher sente que a sociedade não lhe dá respostas nem vê nela fonte de um sentido para a vida, essa mesma mulher arrisca-se

a concentrar em si as expectativas e crenças afundadas por depressões e outras fragilidades.

Existem várias formas de olhar para a perda gestacional, mas todas elas devem-se complementar no esforço de amparar todos aqueles que passam por um período de luto e dor. Seja o olhar do médico, linguagem

mais técnica e tradicionalmente debruçada no corpo, seja um olhar mais social e aberto a todos,  um lado humano e abrangente (ex. associações etc.). Quando aqui falámos em “social” não é apenas para exercer uma leitura do que rodeia a mulher e a sua perda, mas também para escrever que este "social" deve ser um corpo activo, interveniente e responsável. Não devemos pensar que perder um filho se esgota num sofrimento privado, há também o sofrimento colectivo aquando a morte de alguém, verificado através dos rituais e outras manifestações colectivas como o luto. Em relação aqueles que estão mais próximos, o luto colectivo tende a não perdurar muito no tempo porque as pessoas querem afastar a dor o mais rápido possível, no entanto para a mulher as marcas são mais difíceis de ultrapassar. Quando falámos de dor pensámos logo num sintoma físico, associado ao corpo, mas esta tem também repercussões a nível psicológico e social. No que diz respeito à componente social, o sofrimento mexe com diversos grupos, não se mantém numa cela

 

 A sociedade deve ter uma componente de entreajuda, uma dimensão social que não se deve esgotar quando falámos de perda gestacional. Se a sociedade ocidental actual insiste no hedonismo e em tornar tabu a morte, a doença, a perda, não devemos virar costas aqueles que em determinado momento das suas vidas perdem um pouco de si, mas continuam vivas, pelo menos têm de aprender a voltar a lutar e a acreditar. A perda gestacional não pode ser vista como menor por se tratar de uma criança que parte prematuramente – a verdade é que temos que considerar a ligação desta criança através da mulher/mãe que

desde cedo já sente vida a palpitar dentro de si. A gravidez apresenta-se na forma de uma barriga que atrai sorrisos e aproxima as pessoas, seria pouco sensato assumir que o eclipsar dessa “luz” provoque o afastamento  dessas pessoas. O luto é dos processos mais duros da nossa existência, uma fase em que escrevemos novas questões e onde nos sentimos presos a um passado e um presente que sofreu um duro golpe. A partir desse ponto onde se exige um “recomeçar” é preciso aprender a aceitar o amanhã como reserva de esperança. A sociedade é também reserva de esperança e havendo portas abertas é o ideal para que nos sintamos parte de algo, encontremos um sentido que nos ajudará a projectar a nossa esfera pessoal no futuro, redesenhando novos sonhos.

 

Dr. Pedro Nunes, sociólogo

 

link do postPor projectoartemis, às 23:50  comentar

 
Espaço de partilha com objectivo de diminuir a falta de informação técnica e emocional a mulheres que vivenciam o luto da perda de um bebé ao longo da gravidez, bem como quebrar o Pacto de Silêncio resultante de todo esse processo de luto na Perda Gestacional.
Envie a sua questão
Este consultório online é um espaço onde pode colocar as suas dúvidas no âmbito da Perda Gestacional. Este Consultório tem um carácter informativo e o acompanhamento médico especializado por parte dos leitores não deve ser descuidado.

E-mail: projectoartemis@sapo.pt

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Direcção APA
projectoartemis Sandra Cunha, Psicóloga desde 2005 da Associação Projecto Artémis, tem vindo a desenvolver o seu trabalho desde essa data na área da Perda Gestacional. Em paralelo, acompanhou Manuela Pontes na Direcção da Artémis como Vice Presidente. Desde Junho de 2011 está como Presidente da Associação Projecto Artémis, procurando quebrar o silêncio, alienado o seu conhecimento técnico com o da realidade da perda de um filho. Perdeu um bebé em 2007, após 2 anos de trabalho como psicóloga da Artémis, o que lhe permitiu reunir à técnica o conhecimento árdua de ter vivido na pele a perda de um filho.

Contacto:
Telefone:938633707
E-mail: projectoartemis@sapo.pt
Site: www.facebook.com/associacaoartemis

Orgão Sociais
Direcção:
Presidente - Sandra Cunha
Vice Presidente - Patrícia Vilas Boas
Secretária - Andreia Neves
Tesoureira - Susana Rodrigues
Vogal - Marco Jesus
Assembleia Geral:
Presidente - Anabela Costa
1ª Secretária - Vanessa Mack
2ª Secretária - Sílvia Melo
Conselho Fiscal:
Presidente - Ricardo Fortuna
Vogal - Mónica Cunha
Vogal - Manuel Vilas Boas
Agosto 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
27
28
29

30
31


arquivos
blogs SAPO