29.11.16

rafael.jpg

 "Gostaria de partilhar também o meu testemunho da minha perda.

Em Fevereiro de 2015 descobri que estava grávida do Rafael. estava muito feliz, bem como a minha filha, de 8 anos, louca por ter um mano!
Tudo corria bem até à primeira ecografia. O médico passou quase todo tempo calado.... e no final, apenas me disse que era melhor falar com o médico de familia, porque nem sempre a gestação começava bem, no processo de geração, podia falhar alguma coisa... Enfim, para mim, era quase chinês, até ele me dizer que a TN estava demasiado aumentada.
Em seguida, sou chamada ao centro de saúde pelo meu médico, porque tinham chegado os resultados do rastreio combinado para as trissomias... Risco super-hiper-mega-aumentado... Começava o meu pesadelo...
Como não estava segura daqueles resultados todos, preferi ser acompanhada no hospital da Luz, por um médico que foi um anjo!! Seguiu-se uma biopsia das vilosidades coriónicas, numa corrida contra o tempo. Resultado, não tinha qualquer Trissomia. Enquanto isso, a TN continuava a aumentar. Depois, foi começar uma série de exames de despiste, porque incrivelmente, o Rafael, a cada ecografia teimava em fazer as gracinhas dele e parecer um bébé normal, exceptuando na
medição da TN.
Estavamos a chegar a uma semana decisiva ( até porque teria de interromper a gravidez, caso se detetasse a anomalia que o afetava, e ir a conselho de ética demoraria algum tempo ). Chegou a vez de uma ecografia morfológica. Ossos longos muito curtos...

Apesar de mais uma vez a esperança desabar... O médico, nesse mesmo dia solicitou uma eco cardíaca, para ver se tinha malformações ao nivel cardiaco. Mais uma vez, tudo normal e um coraçãozinho a bater com muita força... Mas, então, o que fazer? Um desespero. O médico apenas me conseguia dizer que era tudo uma incógnita.
Ainda assim, decidi levar a gravidez adiante, e fosse o que deus quisesse. Então, fui encaminhada para uma consulta de genética. Eu só pensava "genética? Para quê? Ja n vai resolver nada..." A verdade é que nessa consulta, a médica lembrou-se de uma análise, ainda com o material recolhido na biópsia, ao síndrome de Noonam.
Em Maio o meu mundo ruiu: o rafael tinha sindrome de Noonam.... Que agregado a uma TN de 12mm, a qual não sabia sequer se poderia ser operada, se tornava num desfecho muito pouco risonho.
Decidi então, num terrivel ato de amor, interromper a gravidez. Que já ia com quase 6 meses.Foi o pior momento da minha vida.Tive que entrar em trabalho de parto, o Rafael morreu minutos antes de eu o dar à luz... Não o vi... Apenas uma mãozinha...Tudo o que se via nas ecos estava altamente confirmado. e o Rafael não tinha condições de sobreviver.
Ainda hoje choro, e recordo o meu menino na minha barriga!

De inicio, achei que a culpa era minha, que tinha sido egoista... Depois a dor atenuou e percebi que foi o maior ato de amor, porque o meu filho não ia ter qualidade de vida se sobrevivesse.
Para além de todas as deficiências fisicas. Ainda hoje dói... e muito.
E para mim, sim, eu tenho dois filhos. A Beatriz e a minha estrelinha, o Rafael.

Mão Patrícia"

link do postPor projectoartemis, às 11:08  comentar

De Ana a 29 de Novembro de 2016 às 11:50
A minha história é muito semelhante.
Foi na morfológica que descobrimos que a Madalena não estava bem... depois de rastreios e de exames... descobrimos que tinha trissomia 18.
Foi o maior pesadelo da nossa vida! Recentemente fomos à consulta de genética e foi um acaso. Um erro genético.
Esperamos tentar novamente dentro de algum tempo!
É o maior ato de amor que podemos ter. Um amor que nunca se esquece! Muita força mamã !

 
Espaço de partilha com objectivo de diminuir a falta de informação técnica e emocional a mulheres que vivenciam o luto da perda de um bebé ao longo da gravidez, bem como quebrar o Pacto de Silêncio resultante de todo esse processo de luto na Perda Gestacional.
Envie a sua questão
Este consultório online é um espaço onde pode colocar as suas dúvidas no âmbito da Perda Gestacional. Este Consultório tem um carácter informativo e o acompanhamento médico especializado por parte dos leitores não deve ser descuidado.

E-mail: projectoartemis@sapo.pt

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Direcção APA
projectoartemis Sandra Cunha, Psicóloga desde 2005 da Associação Projecto Artémis, tem vindo a desenvolver o seu trabalho desde essa data na área da Perda Gestacional. Em paralelo, acompanhou Manuela Pontes na Direcção da Artémis como Vice Presidente. Desde Junho de 2011 está como Presidente da Associação Projecto Artémis, procurando quebrar o silêncio, alienado o seu conhecimento técnico com o da realidade da perda de um filho. Perdeu um bebé em 2007, após 2 anos de trabalho como psicóloga da Artémis, o que lhe permitiu reunir à técnica o conhecimento árdua de ter vivido na pele a perda de um filho.

Contacto:
Telefone:938633707
E-mail: projectoartemis@sapo.pt
Site: www.facebook.com/associacaoartemis

Orgão Sociais
Direcção:
Presidente - Sandra Cunha
Vice Presidente - Patrícia Vilas Boas
Secretária - Andreia Neves
Tesoureira - Susana Rodrigues
Vogal - Marco Jesus
Assembleia Geral:
Presidente - Anabela Costa
1ª Secretária - Vanessa Mack
2ª Secretária - Sílvia Melo
Conselho Fiscal:
Presidente - Ricardo Fortuna
Vogal - Mónica Cunha
Vogal - Manuel Vilas Boas
Novembro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
17
18
19

20
21
22
24
26

27
28
30


arquivos
blogs SAPO