Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"Não consigo apagar esta dor" - testemunho

Segunda-feira, 12.09.16

Resultado de imagem para perda gestacional

Mais um testemunho de uma mãe, que perdeu o seu bebé no 1º trimestre de gravidez.

Obrigada Sofia.

"Gostava de partilhar convosco a minha história , ainda não é muito fácil para mim  falar pois é bastante recente.
Descobri que estava grávida pela minha 3ª vez, já tenho 2 filhos maravilhosos que me enchem as medidas mas por algum motivo Deus quis me presentear com um novo filho, não foi muito fácil aceitar um 3ª gravidez pois o meu filho mais novo tinha apenas 3 anos e era muito apegado a mim, não vou ser hipócrita e dizer que fiquei logo feliz pois não é verdade chorei bastante quando soube mas depois eu e o meu marido pensamos que realmente é porque tinha que ser assim já mentalizados e cada vez mais felizes estavamos novamente gravidos .
Achamos por bem esperar e confirmar se estava tudo bem antes de contar alguém , la fui eu à MJD de urgência confirmar a gravidez e o tempo que estava. E la estava eu novamente e o mais engraçado com o mesmo médico que me acompanhou na gravidez do meu filho mais novo e confirmava-se estava grávida o coração batia e eu radiante a ver aquele pequenino ser  estava com 6 semanas e uns dias lá me deram as vitaminas todas e marcaram-me a consulta para ser lá seguida visto que foi lá que tive os meus filhos.
E não sei porque decidi que ainda não o ia dizer a ninguém que estava grávida. Aproxima-se o dia dos avós e ia dizer aos avós nesse dia nem os meus filhos sabiam ia ser um surpresa para todos.
A meio da semana senti muitas dores no fundo da barriga nas costas mas deixei andar podia ser o meu corpo com algumas alterações. Um dia à noite fui ao shopping comprar umas calças visto que as minhas já era, já nem apertavam experimentei imensas e quando ia comprar as que gostei ia para a caixa e não sei porquê algo me disse que era melhor ir ao médico que algo não estava bem. Deixei ficar lá as calças e fui à urgência da MJD ver se estava tudo bem se aquelas dores eram normais. Quando sou chamada lá vou eu e claro fazem logo a eco para ver e vejo que o médico fez assim uma cara estranha pediu-me para esperar que ia chamar o chefe de urgência vem o chefe de urgência abana a minha barriga e num tom muito frio diz-me  infelizmente o seu feto esta sem batimento cardiaco vamos dar inicio ao protocolo para o explusar visto que não tem viabilidade naquele momento o meu chão caiu e eu fiquei sem reação não chorei apenas me arranjei e voltamos a falar sobre o protocolo .
Fui para o carro e liguei ao meu marido porque ele nem sabia que tinha lá ido porque estava no shopping. Quando lhe ligo a dizer nao aguentei chorei chorei chorei ate nao poder mais porque me aconteceu isto porque o que fiz de errado porque a mim ele do outro lado com uma voz muito meiga disse-me tem calma vem para casa tudo se resolve estou aqui para ti para te ajudar não chores mais.
Não foi fácil, nada fácil .
Como sou bastante teimosa decidi ir pesquisar à net e vi que algumas pessoas com 6 semanas não se consegue ver o batimento cardíaco, achei por bem pedir um segunda opinião e ver novamente se o meu bébé realmente não tinha batimento passei um noite horrível a chorar.
No dia a seguir à noite decidi ir à urgência do hospital São João e pedir outra opinião.
Quando lá entrei o meu coração ia tão, mas tão apertado que nem as palavras me saiam. Lá fiz a ficha e chamaram-me a Dra  Ana Sofia Fernandes muito meiga muito doce comigo. Contei-lhe o sucedido e a Dra muito meiga disse-me vamos lá ver como é. Mais uma vez o coração apertava cada vez mais, a Dra la me deu a triste notícia confirma-se minha querida não tem batimento mas vai ver que daqui a nada volta a ficar grávida e vai correr tudo bem ainda é tão nova.
Não aguentei e chorei como se não houvesse amanhã, o meu marido agarrado à minha mão suada apertava-me com força e lá demos início ao protocolo .
Vim para casa,  só daria início no sábado que era quando a Dra estava na urgência.
... lá fui eu no sábado de manhã ao hospital de São João cheia de medos porque não sabia o que ia fazer. A Dra chamou-me explicou-me tudo como era. Lá fui eu pôr os comprimidos na vagina e passado 48h voltava laá para ver como estava. Ia ter uma noite horrível pelo que ela me disse.
Viemos embora, ainda fui fazer umas compras só comecei a sangrar durante a noite e tive um noite mais ou menos com a saída de bastantes coágulos e eu a pensar que ja tinha expulsado. Passado 48h fui lá novamente e a Dra voltou a avaliar e ainda não tinha explusado nada eram apenas coágulos, voltou a pôr novamente outra dose de comprimidos e ia lá passado 72h .
Passei outra noite horrível com muita perda de sangue, não me sentia nada bem, o meu marido ainda queria ficar em casa comigo e eu disse que não valia a pena, infelizmente a meio da manhã tive que lhe ligar para vir a casa porque estava a sentir-me mal. Fui novamente à urgência e o embrião ainda não tinha saído, estava no caminho de saida por isso tinha tantas dores e perdia muito sangue. Deram-me lá uma medicação para as dores e alta quando estava para vir para casa desmaiei não sei o que me aconteceu nunca tinha desmaiado o meu marido ficou em pânico, quando acordei só vi a cara dele tão branca e a dar-me sapatadas na cara a chamar por mim, já rodeada de enfermeiros e a médica.Passado umas  boas horas vim embora.
Mais um noite a sofrer não pelas dores mas pela dor interior que tinha.
Quando fui para ser reavaliada novamente o embrião ainda não tinha saído e tinha que ir ao bloco... entrei em pânico naquele momento.
O meu marido só olhava para mim, apertava-me a mão e dizia-me estou aqui contigo.
Lá deram inicio ao processo para ir para o bloco, fui arranjar-me e infelizmente para mim fui parar à sala de expectantes... eu estava ali para fechar o meu processo de luto e aquelas mulheres para o melhor momento das suas vidas.
Chorei, chorei, não conseguia conter as lágrimas... lá fui eu para dentro e eu meu marido deu-me um beijo e um abraço tão apertado e disse que estou aqui à tua espera... amo-te .
Entrei para o bloco a chorar e as emfermeiras, anestesista diziam-me não chore isto vai já passar, é tão nova... daqui a nada está aqui novamemte para ter o seu bébé, e adormeci a chorar... o pior momento da minha vida ia acabar e não ia sofrer mais.
...acordo e já tenho o meu marido ao meu lado e a enfermeira a dizer que correu tudo bem.
Lá vou eu embora ao fim do dia ainda grogue .
O meu marido sempre preocupado comigo foi sem dúvida o meu grande apoio, pensei que tinha acabado mas infelizmente fiquei com anemia, ainda não estou a 100% à espera que isto tudo volte ao normal. Hoje ainda choro... não com a mesma intensidade mas choro... não consigo apagar esta dor .
Apesar de ter dois filhos maravilhosos que amo muito mas ainda hoje me faz confusão ver grávidas.
Fico à espera de estar bem e poder voltar a engravidar e espero que seja bem sucedida .
Beijinhos Sofia Pereira ❤"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Associação Projecto Artémis® às 11:45






Espaço de partilha com objectivo de diminuir a falta de informação técnica e emocional a mulheres que vivenciam o luto da perda de um bebé ao longo da gravidez, bem como quebrar o Pacto de Silêncio resultante de todo esse processo de luto na Perda Gestacional.


Direcção A-PA

projectoartemis Sandra Cunha, Psicóloga desde 2005 da Associação Projecto Artémis, tem vindo a desenvolver o seu trabalho desde essa data na área da Perda Gestacional. Desde Junho de 2011 está como Presidente da Associação Projecto Artémis, procurando quebrar o silêncio, alienado o seu conhecimento técnico com o da realidade da perda de um filho. Perdeu um bebé em 2007, após 2 anos de trabalho como psicóloga da Artémis, o que lhe permitiu reunir à técnica o conhecimento árdua de ter vivido na pele a perda de um filho.

Contacto:
Telefone:937413626
E-mail: associacaoprojectoartemis@gmail.com
Site: www.facebook.com/associacaoartemis