Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As respostas às perguntas que ninguém quer procurar!

Terça-feira, 18.05.21

Todos os dias nos chegam relatos de mães que perderam os seus filhos, ainda durante a gravidez. Mães que procuram apoio, procuram outras mães que tenham passado pelo mesmo para saberem como se reerguer, procuram quem as oiça. Sim, às vezes só querem alguém que oiça a sua história, alguém que não julgue, que apoie, que dê colo!

Todavia, estas mães também procuram informação. Quando uma mulher engravida há um leque de pesquisas que se inicia: as mobílias mais adequadas, as cadeiras auto mais seguras, a recolha de células estaminais, entre outros.

Ninguém pesquisa sobre perda gestacional, não antes de passar por ela.

A verdade é que a informação relativa a legislação e aos direitos das mães e dos pais que passam pela perda gestacional está dispersa em diferentes diplomas legais, não sendo acessível à maior parte das pessoas.

Assim, resolvemos compilar a informação relevante:

Código do Registo Civil

Artigo 209.º

Depósito do certificado médico de morte fetal

1 - Sempre que ocorrer morte fetal com tempo de gestação de 22 semanas ou superior deve ser apresentado e depositado em qualquer conservatória do registo civil o respectivo certificado médico.
2 - (Revogado).
3 - O requerente do depósito deve ser ouvido em auto, nele devendo constar os seguintes elementos:
a) Sexo;
b) Duração provável da gravidez, referida a meses ou semanas;
c) Nome completo e residência habitual da parturiente e, sendo casada, o nome do marido;
d) Data e lugar do parto;
e) Cemitério onde vai ser ou foi sepultado.
4 - São aplicáveis ao depósito do certificado médico de morte fetal os preceitos relativos ao assento de óbito, com as necessárias adaptações.

Artigo 209.º-A

Dispensa de certificado médico de morte fetal

É dispensado o certificado médico de morte fetal quando ocorra a interrupção voluntária da gravidez, prevista na alínea c) do n.º 1 do artigo 142.º do Código Penal, bem como, até às 24 semanas da gestação, quando a interrupção da gravidez seja espontânea.

 Significa portanto que, sempre que haja uma perda gestacional com mais de 22 semanas, o casal deve dirigir-se a uma conservatória de registo civil, com o certificado emitido pelo hospital para registar o nado-morto. Só está dispensado este registo, mesmo com mais de 22 semanas, quando há uma interrupção de gravidez por grave doença ou malformação congénita, e esta seja realizada até às 24 semanas, ou no caso de estarmos perante fetos inviáveis.

Significa portanto que haverá funeral sempre que o certificado médico de morte fetal for depositado na Conservatória do Registo Civil, nos casos acima mencionados.

Já no que diz respeito a direitos sociais e subsídios, o DL 91/2009 de 9 de abril define o sistema de proteção social na parentalidade e atribui os seguintes direitos e subsídios:

  • No caso de interrupção da gravidez (IVG ou IMG) a mulher tem direito a gozar uma licença de 14 e 30 dias, mediante certificação médica. Este subsídio é pago a 100% pela SS.
  • Após as 22 semanas há lugar a licença parental, incluindo a licença parental exclusiva da mãe e do pai, nos mesmos moldes que conhecemos para quando há nascimentos com vida.

As excepções são:

  • A licença será de 120. O alargamento para os 150 ou 180 dias só pode ser pedido caso haja um nascimento com vida. No caso de nados-mortos a licença não pode ser alargada.
  • Licença de mais 30 dias por cada gémeo além do primeiro – desde que nasça com vida!
  • A licença exclusiva do pai é de 20 dias uteis obrigatórios. Acrescem 2 dias por cada gémeo além do primeiro e ainda 5 dias uteis facultativos. No caso de nados-mortos, o pai só tem direito aos primeiros 20 dias.
  • O subsídio parental inicial de um progenitor em caso de impossibilidade do outro também não pode ser concedido no caso de estarmos perante um nado-morto.

 A legislação tem avançado ao longo dos tempos. Em 1984, para efeitos de direitos e subsídios, o aborto e o nado morto eram vistos da mesma forma e contemplados, para efeitos de licenças, de forma idêntica. As mães tinham no máximo 30 dias de licença independentemente do momento em que acontecia a perda gestacional. Mesmo nos casos em que ocorria a morte de um nado vivo, a licença da mãe era reduzida imediatamente para 10 dias após o falecimento, desde que no total a mãe tivesse gozado 30 dias.

Hoje o legislador olha para o nado morto equiparando-o ao falecimento de um nado vivo. E esta evolução é positiva. Significa que se vem dando mais importância e relevância à perda gestacional e aos casais que passam por ela.

Muito ainda está por fazer. Mas o caminho só se faz caminhando!

116637134_10218137492689927_7376318855889779313_n.

 

Sofia Cabral Lopes

Advogada e Vice-presidente da A-PA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Associação Projecto Artémis® às 13:01






Espaço de partilha com objectivo de diminuir a falta de informação técnica e emocional a mulheres que vivenciam o luto da perda de um bebé ao longo da gravidez, bem como quebrar o Pacto de Silêncio resultante de todo esse processo de luto na Perda Gestacional.


Direcção A-PA

projectoartemis Sandra Cunha, Psicóloga desde 2005 da Associação Projecto Artémis, tem vindo a desenvolver o seu trabalho desde essa data na área da Perda Gestacional. Desde Junho de 2011 está como Presidente da Associação Projecto Artémis, procurando quebrar o silêncio, alienado o seu conhecimento técnico com o da realidade da perda de um filho. Perdeu um bebé em 2007, após 2 anos de trabalho como psicóloga da Artémis, o que lhe permitiu reunir à técnica o conhecimento árdua de ter vivido na pele a perda de um filho.

Contacto:
Telefone:937413626
E-mail: associacaoprojectoartemis@gmail.com
Site: www.facebook.com/associacaoartemis