Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Petição Pública - Estratégia Nacional para a Sensibilização nos Cuidados em Perda Gestacional e Morte Neonatal

Segunda-feira, 10.10.22
 
A OMS estima que anualmente no mundo ocorrem 2,6 milhões de perdas gestacionais após as 22 semanas de gestação e 17% a 22% das gravidezes terminam em aborto espontâneo.
Em Portugal a dor da Perda Gestacional e Morte Neonatal é uma dor silenciosa, vivida em isolamento, fruto do tabu que envolve o tema.
Com o objectivo de inverter este tabu e dar condições clínicas e psicoemocionais para que estes casais possam viver o Luto da sua perda falando abertamente e permitindo-lhes ter um acompanhamento nesta fase tão dolorosa e traumatizante, a Associação Projecto Artémis lança hoje uma petição pública, acreditanto que será um passo para que possamos juntos fazer diferente e dignificar todos os bebés que nascem sem vida.
Junta a tua voz à nossa, #darvozaperdagestacional e assina a petição!
Tu podes fazer parte da mudança!
IMPORTANTE: as assinaturas só são válidas se colocarem o vosso nº CC/BI, após isso deverão validar através do link que recebem no vosso email.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Associação Projecto Artémis® às 14:45

"Sobre as andorinhas e o Amor" - Ana Catarina Brandão

Sábado, 08.10.22

WhatsApp Image 2022-10-01 at 17.16.20.jpeg

Olá.

Hoje vou falar-vos sobre as andorinhas, o amor, a Catarina e o Fernando.
No início de maio de 2021 descobriram que estavam grávidos. O Fernando ficou muito feliz. A Catarina ficou feliz, mas...receosa de tudo o que estava por vir. Uma gravidez, um parto, um bebé, uma vida a três, incertezas, desconhecimento do que aí vinha, os questionamentos, as dúvidas...rapidamente procurou ajuda junto da médica assistente para garantir que estava tudo bem e que estava a fazer tudo certinho.
Ainda ninguém sabia que estavam grávidos quando, no dia 23 de maio de 2021 surge a ameaça de perda do seu bebé. Surgiu um novo medo, um medo diferente daquele que tinha sentido quando soube que estava grávida. Nas urgências, quando o médico lhe disse que estava tudo bem, quando ela ouviu o coração da Andorinha, surgiu um alívio tão grande que trouxe paz. Surgiu um sentimento de proteção e de querer muito que estivesse tudo bem com o bebé. E que tudo ficasse bem.
Na manhã seguinte, algo estranho se passava. Havia um aperto no peito. Mas a Catarina seguiu viagem até ao norte para passar uns dias de férias. A viagem não foi agradável. Algumas dores "menstruais" e alguns pensamentos partilhados com a sua Andorinha.
Quando chegou ao norte ainda achou que nada estava a acontecer, que nada daquilo poderia estar a acontecer. Mas fisicamente, a dor era mais intensa e teve de procurar ajuda junto das urgências. Foi em Santa Maria da Feira que a médica de serviço lhe deu a notícia que havia perdido o seu bebé. 
A Catarina chorou muito muito muito, deitada na cadeira ginecológica das urgências do Hospital. 
Os seus pensamentos e sentimentos eram um turbilhão. A médica só tentava acalmar, passando mensagens de coragem e motivacionais. Tentando passar a ideia que não havia culpa e que não havia nada que ela pudesse ter feito para poder ser diferente.
E a verdade é que, mesmo após chegar a casa, dormir longas horas e acordar, não se sentia culpada.
O Fernando viajou 3h de carro só para a abraçar e quando ela sentiu o seu abraço, sentiu-se em casa. 
Chorou muito nos dias seguintes, mas não se sentia culpada. Sentia tristeza. Tentou apenas entender o que tinha acontecido, convenceu-se de que fora a natureza a tratar/resolver uma situação (= bebé / ser vivo) que não estaria bem e que a vida seguiria. Novas oportunidades haveriam de surgir.
E surgiu. Passados 8 meses, há um atraso, há um teste e estavam grávidos novamente.
Em janeiro de 2022, logo no início do ano, veio o presente em forma de andorinha.
E desta vez, as reações foram diferentes novamente. 
A Catarina ficou feliz e o Fernando ficou feliz, mas...receoso de que pudessem perder novamente, de que a Catarina sofresse fisicamente.
E desde o teste positivo até ao dia em que tudo aconteceu pela segunda vez, cada ida à casa de banho era um suspiro de alívio: está tudo bem!
No dia 24 de janeiro teve de ir às urgências pois algo não estava bem. 
E no caminho para o hospital, as lágrimas eram fortes e consistentes. Algo não estava bem e a Catarina sabia disso. Sentia isso.
Após um pouco mais de 12h, regressa a casa, e deixa 'voar' a segunda andorinha. Perdeu o segundo bebé.
A primeira perda foi rápida, menos dolorosa fisicamente e até emocionalmente. As perdas gestacionais são mais 'normais' do que aquilo que se pensa e se fala, então, o processo de aceitação / entendimento da situação foi mais simples. A médica foi incrível. E apesar de estar sozinha na sala de urgência, a Catarina sentiu amor, compreensão e atenção. Quase como se de um abraço se tratasse.
A segunda perda foi lenta, dolorosa fisicamente e emocionalmente. Muitas questões, muitos sentimentos, muitas perguntas sem resposta. Na segunda perda, e mesmo reportando dificuldade auditiva, a Catarina sentiu-se incompreendida, sozinha, desprovida de atenção e amor, desprovida de empatia.
Saiu do  hospital e os dias que se seguiram foram de apatia, de solidão, de tristeza, de choro.
Sozinha em casa, a raiva foi ganhando voz, as perguntas sem respostas continuaram a surgir na cabeça da Catarina e mágoa no coração.
Entre a primeira gravidez e a segunda, "não houve" muito para resolver. A vida seguiu.
Mas após a segunda perda, foi como se só tivessem ficado as coisas más: a raiva, a mágoa, a tristeza, entre outros.
Hoje, passados 7 meses, a mágoa começa a dar lugar à esperança. A raiva começa a dar lugar à nostalgia e à saudade. É certo que ainda existe tristeza e vazio, mas há esperança...e amor.
Amor para dar ao bebé que haverá de vir.
Fica a saudade das andorinhas que voaram!
 
"O Amor, como as andorinhas, dá felicidade às casas!"
 
--
Obrigada
Ana Catarina Brandão

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Associação Projecto Artémis® às 11:46

Poema "Frutos da vida"

Quinta-feira, 23.06.22

foto flor.jpg

São ramos curvados 
endurecidos
pelo vento
queimados
de chuva
lambidos.

Vestem-se de cores
da terra
Cobrem-se de musgo.
Ó Humidade…

Sombras de ti
no solo
E de mim
solta
num abraço
de saudade.

Caem folhas
Estão moles, ocas,
Vazias.

Mas vejo-me no apodrecer.
Aquela veia palpitante
No aconchego doce
Eterno gentil

Regaço de mares
e rias
Onde o barco da fortuna
Sem rumo
Ancorado sonha
Em meditação
Acordado.

E há leves pálpebras
No seu tronco
imaculado.


Mais terra transformada
Poeira vencida
pelo tempo.

E nasces tu,
No sereno gato caçador
Sentindo cheiros únicos
De incenso e vapor

Perfumando as rugas
Incertas
Nuvens de amor.

Há raízes e laços
Ensanguentados de seiva
Entrelaçados
Num cordão sensorial
De seres e da presença
Tua

Sombra criada pelo sol
Conduzida na luz
Onde o meu anjo
As flores
Produz.

 

Mãe do Miguel - Joana Leal

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Associação Projecto Artémis® às 10:34

Encontro no Masculino - Perda Gestacional

Terça-feira, 11.01.22
No dia 05 de fevereiro, pelas 11h iremos promover um Encontro Online no Masculino, pois a perda também é vivida por eles.
Se és pai e perdeste um filh@ durante a gravidez ou morte neo-natal, tenha sido recentemente ou há muito tempo, estejas ainda a fazer o teu processo de luto ou já o tenhas feito, mas queres partilhar este momento com outros homens que também eles sabem o que é amar com um céu de distância e em silêncio, junta-te a nós neste encontro.
Queremos proporcionar-te esperança, porque é isso que nos move (Projecto Artémis), queremos proporcionar-te a quebra do silêncio que tanto te é necessário e a ti tantas vezes é ignorado. Queremos proporcionar-te um espaço de partilha sem filtros.
Este será um Encontro de amor e união. Onde o espaço será usado por ti como tu desejares.
Todos os teus medos, dúvidas e partilhas podem e devem ser colocados sem receios, sem tabus, sem juízo de valor.
👉 Organizador: Associação Projecto Artémis
💻 Local: online via zoom
✍️ Inscrições:
Sócios A-PA - Gratuito
Não sócios - 10€
Inscrições pelo email apoiopsicologico.artemis@gmail.com
Indicar nome, nº sócio A-PA, email e contacto tlm
 

pais artemis.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Associação Projecto Artémis® às 15:19

Um Natal com um colo vazio!

Quarta-feira, 22.12.21

natal artemis.jpg

A época de Natal é uma época especial, mas de emoções e sentimentos muitas vezes ambíguos.  Envolve lembranças, encontros, reflexões... o que acaba por levar as pessoas a ficarem emocionalmente inquietas. 
Alguns tiveram experiências boas na infância, já outros tiveram momentos desagradáveis. Quando a lembrança é negativa, a pessoa pode querer evitar estas comemorações natalícias.
Muitos sentem uma quase que imposição para ficarem felizes nesta data, vão ás compras, estão junto da família, mas nem todos terão a possibilidade de “ter tudo” nesta época.
É habitual fazer uma avaliação sobre aquilo que se conquistou e o que não conseguiu. Emoções como tristeza, ansiedade, stress, frustração e medo podem surgir por diversas razões:

  • Sentir solidão, “não tem com quem passar o Natal"
  • Comemorar com pessoas com quem se está com problemas ou em conflito
  • Falta de dinheiro
  • Sentir que é insignificante, rejeitado, não merecedor de carinho e presentes
  • Saudades daqueles que não estão mais presentes na sua vida (seja por falecimento ou por desentendimento)
  • Entre muitas outras razões.

Contudo é sobre o último ponto que me irei focar e numa situação muito concreta.
Há casais que durante o ano iniciam o sonho da maternidade, que engravidam e vivem ansiosamente a chegada daquele filho. Mas nem sempre a gravidez corre da melhor forma e perdem aquele bebé. Já pensaram como vivem estes casais o Natal, quando supostamente aquele Natal seria o primeiro com o seu filho? Como vivem estes pais os Natais seguintes, sabendo que a cada ano que passa haveriam novas experiências, novas vivências como pais? E sabemos que um Natal com uma criança é sempre um Natal diferente. Já fizeram este exercício mental? Experimentem, e verão que começam a entender e a ser mais empáticos com estes pais.
É importante ser mais tolerante, lidar com aquilo que não deu certo e se superar, aceitar e aprender com o caminho que temos percorrido. Todos têm limitações e qualidades, é preciso focar naquilo que “tem de bom”, e aquilo que pode ser melhorado. É importante se valorizar e ver as próprias conquistas e superações..
Ter esperança que no ano seguinte será melhor traz motivação, traz a oportunidade de consertar os erros e reorganizar a vida de outra forma, mas lembre-se de não se cobrar demais, seja realista, um passo de cada vez.
Não existem pessoas e famílias perfeitas. Nem todos estão alegres nesta época do ano, a felicidade não é obrigatória
E há mesas que têm um lugar vazio… há mesas de Natal que têm um lugar de alguém que ninguém viu, mas que alguém amou… e ainda ama…. Há mesas de Natal que são feitas com colos vazios!

Sandra Cunha

Psicóloga A-PA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Associação Projecto Artémis® às 10:37

A perda gestacional na perspetiva de um pai - Goucha TVI

Segunda-feira, 29.11.21
A Perda Gestacional é vivida em casal, muitas vezes esquecemo-nos que o pai também sofre, o Gonçalo e a Vânia são uma casal que perderam o seu Santiago cedo demais, e que nos têm permitido fazer esta caminhada em busca de paz e serenidade para lidar com a perda do seu filho Santiago. Bem haja pelas vossas palavras, por darem cara e voz a tantos outros bebés e pais.
Gratidão à TVI em específico a toda a equipa do programa Goucha pela forma como sempre recebem estes pais, e por estarem sempre connosco a quebras tabus.
 
 
 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Associação Projecto Artémis® às 17:37

"As flores que adornam o meu jardim" - Nádia Batista

Terça-feira, 02.11.21
A Nádia é a mãe do Enzo, da Lua e da Mel. A Nádia e o marido perderam a Lua e a Mel cedo demais, e ela quis partilhar connosco e convosco o texto que escreveu para as suas meninas.
Gratidão imensa pela partilha querida Nádia.
 

mensagem Nadia.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Associação Projecto Artémis® às 11:28

Carta da Maria F. para a A-PA

Sábado, 23.10.21

mensagem Inês.jpg

"O meu nome é Maria F.

Perdi um bebé há um ano. O nome do meu filho é Artur Gabriel.

Estou a ser acompanhada na A-PA desde Maio e desde o dia do acolhimento até ao presente momento, tem sido o meu porto seguro. Agradeço profundamente à A-PA e em especial à psicóloga Dra. Sandra Cunha, por toda a dedicação para comigo. Sem vocês, o processo de luto que por si só já é lento e difícil, este caminho estaria a ser bem mais pesado e solitário. Aqui, encontrei uma nova família e abraços sempre prontos para me receber. Obrigada!
 
Acredito que muitas mães e pais, sofrem em silêncio, acreditando que esta dor não deve ser valorizada ou falada pois não é bem "vista" e é muito mal compreendida pela sociedade em geral. Mas é exatamente por isso que devemos falar sobre o assunto, não permitir que seja tabu, é importante dar voz ao AMOR que transborda dos nossos corações pelos nossos filhos, falar sobre o assunto, trará esclarecimento, trará compreensão, trará melhores apoios para nós pais e bebés, trará um futuro melhor para a causa.
 
Sou associada da A-PA exatamente porque acredito que juntos somos mais fortes, porque sei que sozinha o caminho é muito mais denso e difícil, porque acredito que esta instituição tem futuro e que vai continuar a ajudar muitas famílias e a dar voz pelos pais de bebés com histórias diferentes para contar..
 
Maria F.
Sócia da A-PA"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Associação Projecto Artémis® às 16:54

Sensibilização para a Perda por Sofia Mendonça

Terça-feira, 19.10.21
Sofia Mendonça é o meu nome,
E três filhos a vida me deu,
Partiram cedo demais
E a nossa vida a dois uma reviravolta deu.
 
Com 8, 6 e 4 semanas,
Aconteceram as nossas perdas,
Desde 2018 a acreditar,
Que o momento há-de chegar.

Sou membro recente da Artémis,
Terapia de grupo e individual,
Todos precisamos de ajuda,
E aconselhamento eventual.
 
Não estamos sozinhos,
E o mundo tem de saber,
Deixar que a perda gestacional seja tabu,
Sei que muitos vão agradecer.
 
A sociedade precisa de falar,
E saber como reagir,
Médicos e enfermeiras sensibilizar,
Para que muitos de nós possamos ajuda pedir.
 
Só quem passa por isto sabe o que é,
E às vezes é difícil descrever,
Mas falar da dor pode ajudar,
E desta forma continuamos a acreditar.
A Artémis é uma aposta segura,
Com os benefícios e toda a ajuda que dá,
A conquista pelos nosso sonhos perdura,
Principalmente por saber que não estamos só.

FotoArtemis1.jpg

Sofia Mendonça
Sócia A-PA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Associação Projecto Artémis® às 09:10






Espaço de partilha com objectivo de diminuir a falta de informação técnica e emocional a mulheres que vivenciam o luto da perda de um bebé ao longo da gravidez, bem como quebrar o Pacto de Silêncio resultante de todo esse processo de luto na Perda Gestacional.


Direcção A-PA

projectoartemis Sandra Cunha, Psicóloga desde 2005 da Associação Projecto Artémis, tem vindo a desenvolver o seu trabalho desde essa data na área da Perda Gestacional. Desde Junho de 2011 está como Presidente da Associação Projecto Artémis, procurando quebrar o silêncio, alienado o seu conhecimento técnico com o da realidade da perda de um filho. Perdeu um bebé em 2007, após 2 anos de trabalho como psicóloga da Artémis, o que lhe permitiu reunir à técnica o conhecimento árdua de ter vivido na pele a perda de um filho.

Contacto:
Telefone:937413626
E-mail: associacaoprojectoartemis@gmail.com
Site: www.facebook.com/associacaoartemis